DIREITO ÀS DROGAS










por que não devo fumar, me drogar, fumar até me fartar? se pessoalmente não gosto, nunca provei e tenho outros desejos, outro caminho, outra ordem, não posso nem devo dizer aos outros o que tomar, o que beber, o que cheirar, o que injetar; somente estados e sociedades facistóides e preocupadas com a saúde e os horários de seus funcionários pode criar leis proibindo, regulando e punindo o consumo ou a “apologia aos crime” (mais uma vez crime de opinião, de expressão, de idéias).


Alberto Lins Caldas









DOWNLOAD: JEAN PIERRE MIROUZE
- LE MARIAGE COLLECTIF OST - 160 Kbps

3 Comments:

At 2 de março de 2007 21:17, Anonymous zé do livro said...

não gosto da palavra "direito"...
explico: atribuir direitos sempre se associa ao uso da violência; quem tem a "força de lei" para definir direitos (e deveres) também se dá o direito de prender, matar, encarcerar, vigiar, censurar, ou seja, legitimar a própria violência... e tudo em nome da "segurança pública"... mas esta chantagem eu não aceito... quanto aos "trombadinhas e marginais", isto é problema meu, na verdade eu sou um deles... sempre me vejo do lado dos bandidos, dos criminosos, das almas perversas... não sou um dos que aderem ao hino das lamentações e festejos policiados...

comecei a me drogar com quinze anos
e durante dez anos utilizei todo tipo de substância modificadora do humor e da cognição que me chegou em mãos...

cerveja, vinho, cachaça, nicotina, cocaína, maconha, LSD, thinner, benzedrina, telueno, crack, haxixe, anfetamina, psilocibina e a sagrada ayahuasca..........

faltou muito pouco para eu provar morfina........

se eu tivesse meios e condições, experimentaria todas as drogas do mundo, tudo o que já foi descoberto ou inventado pela humanidade...

eu sou um apaixonado por psicofarmacologia........

entretanto, este campo da ciência é controlado por todas as instituições (do vaticano à CIA)interessadas no controle, orientação e direção das mentes, geralmente com propósitos de lavagem cerebral e condicionamento psicossomático e sempre com a justificativa do "bem comum" e da "segurança pública"...

a política "anti-drogas" que existe atualmente na agenda de quase todos os estados não passa de uma "inquisição moderna" contra os novos hereges que recusam ter a mente domesticada pela Disney e programada pela IBM.......

eu recomendo a leitura de Aldous Huxley e da série de livros organizados por Beatriz Labate, principalmete "O Uso Ritual das Plantas de Poder"...

 
At 9 de julho de 2007 14:35, Anonymous E.M. said...

Olá, tudo bem? Olha, embora discordemos sobre alguns pontos, sem dúvida seu blog se salva entre muito poucos que já visitei. Quanto aos discos que você bota o link pra baixar, tudo o que eu tenho a lhe dizer é que você tem um gosto musical fantástico. O tal do "Le Mariage Collectif" e as "Soul Sister" valem o blog! Você tem um tino ou faro para o groove sem ser exclusivamente dentro do soul/funk, o que é uma virtude. Nota 10, vida longa às suas contribuições.

http://blogdiatribe.blogspot.com

 
At 8 de maio de 2016 09:37, Anonymous Anônimo said...

Meu povo, vocês ainda têm Le Mariage Collectif pra oferecer? Mas tem que ser essa mesma versão que vocês postaram aqui anos atrás. Até tem esse disco por aí na Apple Music e Spotify, mas não essa versão com faixas extras. É praticamente impossível achar. Se vocês puderem postar o link renovado, lhes agradeço do fundo do meu coração.

Aqui nesse link http://funk-o-logy.com/forum/viewtopic.php?t=1303 eles falam dessa versão com faixas adicionais, rara e diferente da que circula por aí. Há uma faixa por exemplo, cujo refrão é algo como "Qu'est que c'est" (vocal feminino), que não se encontra na versão atual.

 

Postar um comentário

<< Home